Ceronha Pontes

postado em Panorama Teatro

Por Fred França
Foto: Luiz Netto

 

194A0437

 

A cearense Ceronha Pontes adotou o Recife e hoje faz parte do coletivo Angu de Teatro, onde se tornou referência na arte dramática com papéis emblemáticos em diversos espetáculos nos palcos e no cinema.

A atriz, seguidora metodologia de Stanislavski, evoca para sua interpretação, a segunda fase do pensamento de Constantin Stanislavski, onde defende-se a concepção de uma memória física do ator, possibilitando ao intérprete evocar sentidos e sensações da personagem.

A parceria com Cláudio Kovacic, diretor de Pouco me importa se tu me amas. Eu sou Duras! se iniciou em janeiro, onde a atriz foi protagonista em Espetacular espetaculoso, assinado por ele e pelos diretores André Brasileiro e Marcondes Lima. Neste espetáculo, Ceronha dá vida à Marguerite Duras, escritora a quem foi apresentada pelo diretor.

Apesar de, como ela mesma define, ter uma vida muito mais pacata que as personagens que interpreta, vem se destacando em papéis de alta densidade como o de Marguerite Duras e o da sofrida Camille Claudel, a quem interpretou em outro monólogo. A escultora francesa trancafiada por 30 anos em um manicômio, abandonada tanto pela família, quanto por seu amante, o escultor Auguste Rodin. Pela atuação, na qual interpretou com maestria uma pessoa com problemas psíquicos, Ceronha recebeu o Prêmio de Melhor Atriz no Festival Janeiro de Grandes Espetáculos deste ano.

Atualmente a atriz também vem se destacando nos bastidores dos tablados, assumindo a assistência de direção e preparação de elenco da peça Margem da ribeira, da Bololô Cia. Cênicas, de Natal, obra esta assinada por Marcondes Lima.