O Porto de Suape

Por Karina Morais
Fotos: Bart van Dorp

O Porto de Suape localiza-se no estado de Pernambuco, entre os municípios de Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. A Concepção de Suape originou-se no moderno conceito de integração porto-indústria, já existente no Porto de Marseille, na França, Kashima, no Japão, entre outros.

A escolha da região de Suape para localização do porto se deu pelas seguintes condições: águas profundas junto à costa, com cerca de 17 metros e média, a cerca de 1,2 quilômetros do cordão de arrecifes; quebra-mar natural formado pelos arrecifes; extensa área para implantação de um parque industrial e localizado dentro da Região Metropolitana do Recife.

Locomotiva do desenvolvimento de Pernambuco, o Complexo Industrial Portuário de Suape é considerado um dos principais polos de investimentos do país. O Porto apresenta estrutura moderna, com profundidades entre 15,5m e 20,0m e grande potencial de expansão. Sua localização estratégica em relação às principais rotas marítimas de navegação o mantém conectado a mais de 160 portos em todos os continentes, com linhas diretas da Europa, América do Norte e África.

A construção de Suape foi prevista para operar produtos combustíveis e cereais a granel, substituindo o Porto do Recife. Em 7 de novembro de 1978, uma lei estadual criou a empresa Suape Complexo Industrial Portuário para administrar o desenvolvimento das obras e hoje o porto é um dos maiores do Brasil; administrado pelo Governo de Pernambuco.

Sua área de influência abrange todo o estado de Pernambuco e parte dos estados de Alagoas e da Paraíba. O porto tem acesso rodoviário pela PE-060 e pela AL-101, na divisa de Pernambuco e Alagoas. É considerado o mais tecnologicamente avançado do Brasil.

O local já movimenta mais de 5 milhões de toneladas de carga por ano, destacando-se, entre elas, os graneis líquidos (derivados de petróleo, produtos químicos, álcoois, óleos vegetais etc.), com mais de 80% da movimentação, e a carga conteinerizada. O Porto pode atender a navios de até 170.000 tpb e calado operacional de 14,50 m. Com 27 km² de retroporto, oferece as condições necessárias para atendimento de navios de grande porte.

A movimentação portuária cresce em ritmo acelerado e consolida Suape como um porto concentrador e distribuidor de cargas. Em 2011, a movimentação de cargas ultrapassou os 11 milhões de toneladas o que representa um crescimento de 25% e 33%, respectivamente, em relação ao ano anterior.

A sua concepção de porto-indústria oferece condições ideais para a instalação de empreendimentos nos mais diversos segmentos. Suape conta com uma infraestrutura terrestre própria, em permanente desenvolvimento e modernização, com ferrovias e rodovias. O porto interno, recentemente, ganhou novos berços e, além disso, o complexo ainda conta com fornecimento de gás natural, energia elétrica, água bruta e água tratada.

Já são mais de 100 empresas em operação, responsáveis por mais de 25 mil empregos diretos, e outras 50 em implantação. Entre elas, indústrias de produtos químicos, metalmecânica, naval e logística, que vão fortalecer os polos de geração de energia, graneis líquidos e gases, alimentos e energia eólica, além de abrir espaços em outros segmentos como metalmecânico, grãos e logística. Tudo isso somado supera os 40 bilhões de reais em investimentos, gera 15 mil novos empregos e mais de 40 mil empregos na construção civil.

Os problemas logísticos, como as estradas que conectam Recife ao Porto, tido pelos empresários como o principal entrave, vêm sendo constantemente “atacados” com parcerias público-privadas que já melhoraram sensivelmente a área externa na última década. 

O Parque Estadual Mata do Zumbi é uma das novidades da região de Suape.

A construção dos diversos empreendimentos no Porto de Suape forçaram uma série de compensações ambientais, que incluíram recuperação de mananciais e manguezais, mas que não tiraram as críticas de muitos ambientalistas que acusam a obra de ser a responsável pelo aumento do número de ataques de tubarão na região, pelo fato da região ter destruído uma região de berçário e alimentação de várias espécies.

Também se proliferaram unidades de conservação ambiental nos arredores do Porto com destaque para o Parque Estadual Duas Lagoas*, Parque Estadual Mata do Zumbi* e a Estação Ecológica Bita e Utinga*.

* O Parque Estadual Duas Lagoas, o Parque Estadual Mata do Zumbi e a Estação Ecológica Bita e Utinga estão no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.