APA do Jalapão

Por Fred França
Foto: Bart van Dorp

Criada pelo Governo do Tocantins no ano de 2000, a APA do Jalapão abrange as cidades de Ponte Alta do Tocantins, Novo Acordo e Mateiros , que detém 57% de sua área. A unidade de conservação serve de zona de amortecimento para outras três importantes unidades de conservação brasileiras de proteção integral: o Parque Estadual do Jalapão, a Estação Ecológica da Serra Geral e o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba*. A APA do Jalapão também integra o Corredor Ecológico Jalapão/Chapada das Mangabeiras e a Reserva da Biosfera do Cerrado.

Atualmente a APA do Jalapão possui 461.730 hectares e até o momento já foram catalogadas dentro de seus limites 434 espécies da flora nacional, 56 de mamíferos, 214 de aves, 25 de anfíbios, 44 de répteis e 45 de peixes. Destas, 27 plantas e 19 animais encontram-se na lista de ameaçadas, como o Lobo-Guará (Chrysocyon brachyurus) e arara-azul-grande (Anodorhyncus hyacinthinus) e o pato-mergulhão (Mergus octosetaceus).

parque nacional do jalapão, Tocantins, Brasil

A APA do Jalapão protege boa área do cerrado tocantinense.

Todo bioma da APA é de cerrado e, como tal, enfrenta forte pressão das produções agrícolas e as queimadas no período de estiagem. O plano de manejo para combate a incêndio costuma contar com o apoio de diversas comunidades tradicionais localizadas dentro da unidade de conservação. A APA inclusive é fonte de renda para muitas destas comunidades. O extrativismo sustentável, especialmente do jatobá para produção de farinha, buriti, pequi, macaúba e mamona para produção de óleo, caju para a produção de doces, além de diversas palhas para a produção de cestarias, estão entre as atividades econômicas de muitas das famílias residentes na APA e no seu entorno.

* O Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba estará no livro fotográfico Expedição Piauí – O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.