Coronel José Dias

Por Fred França
Foto: Luiz Netto

Apesar da Serra da Capivara* estar muito associada ao município de São Raimundo Nonato, Coronel José Dias abarca uma área maior da unidade de conservação, 28,80% contra 15,22% de São Raimundo, ficando atrás apenas de João Costa, que detém a fatia restante de 55,97%.

São Raimundo é sempre escolhida como ponto de apoio pela maioria dos turistas que visitam o Parque por sua melhor estrutura urbana, mas Coronel José Dias se localiza mais próxima a muitas das principais atrações do Parque, como a Pedra Furada, a Serra Vermelha, entre outros.

Não é exagero dizer que o município mantém os ares bucólicos do século passado, são menos de cinco mil habitantes atualmente, apenas mil deles residindo na área urbana.

capivara

A Pedra Furada pode ser acessada através de Coronel José Dias.

A rica história do município, que hoje congrega muitos dos principais achados arqueológicos do trabalho de Niède Guidon, começou, para o mundo ocidental, no século XVIII, através das incursões de Vitorino Dias Paes Landim, sobrenome que viria a ser uma das principais forças políticas do Piauí, tendo até hoje, mais de duzentos anos depois, deputados na Câmara Federal.

Coube a Vitorino os primeiros embates com os indígenas que habitavam a Serra da Capivara, recebendo, já no século XIX, três fazendas cedidas pelo governador: Serra Nova, Boqueirãozinho e Serra Talhada, muitas delas hoje guardando preciosos sítios arqueológicos.

Serra Nova mudaria de nome para Várzea Grande, destacando-se na produção de borracha da maniçoba. O sucesso e prosperidade da fazenda a transformou num dos principais pontos de apoio do sul do Piauí. Em 1910 chega a Várzea Grande um Coronel, de nome José Dias, trazendo consigo uma grande quantidade de migrantes de diferentes estados nordestinos. A região ainda pertencia a São Raimundo Nonato e coube ao recém-chegado Coronel José Dias a construção da primeira escola do futuro município.

Várzea Grande virara Povoado e conseguiria sua emancipação em 1962, já com o nome de Coronel José Dias, em homenagem a principal liderança da localidade até então. O primeiro prefeito, Batista Dias, descendente direto do Coronel, assumiu a prefeitura no ano seguinte, em 1963. A gestão do prefeito eleito foi bastante curta, tendo seu mandato cassado devido a ausência de plebiscito à época.

O município voltou à aba de São Raimundo Nonato, só sendo desmembrado novamente, agora de forma definitiva, em 1992, com sua área urbana alocada a 33km de São Raimundo Nonato e a 548 km da capital, Teresina.

O turismo é um dos carro-chefe da insipiente economia local, já com algumas pousadas rústicas localizadas mais próximas das portarias do Parque Nacional da Serra da Capivara, procurada especialmente pelos turistas que não vão à Capivara em veículos próprios e precisam se estabelecer mais próximo ao Parque. Além do turismo, a produção agrícola possui certo destaque, especialmente as produções de feijão, milho e mandioca, nesta ordem. A pecuária também está presente com asininos, galináceos, bovinos, equinos, muares, suínos, ovinos e caprinos, sendo este último o rebanho de maior destaque.

Atualmente, os números da economia local são ainda bastante módicos, com o salário médio formal de cerca de 1,5 salários mínimos, sendo apenas 350 habitantes com carteira assinada. A renda per capita em 2014 era de apenas R$5.552,69 por ano, com um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal de 0,546 em 2010.

* O Parque Nacional da Serra da Capivara estará no livro fotográfico Expedição Piauí – O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.