Cristino Castro

Por Fred França
Foto: Luiz Netto

O povoamento da localidade em que hoje se localiza o município de Cristino Castro se iniciou nos idos de 1898, com a chegada de Raimundo Ribeiro da Silva à localidade conhecida como Catinga de Porco, onde fixou residência.

O povoado receberia o nome de Nova Lapa, tendo Bom Jesus da Lapa como padroeiro, fruto ainda de uma imagem oriunda da Bahia doada à capela local.

Ainda na primeira metade do século XX a região, aproveitando-se das águas do rio Gurguéia, viu as atividades agropecuárias ganharem lastro, culminando na elevação à categoria de município em 1953, já com o nome de Cristino Castro. O nome era uma homenagem ao proprietário da primeira indústria estabelecida na região.

O município hoje detém apenas uma pequena porção relativa do Parque Nacional da Serra das Confusões*, 5,8%, mas dada as gigantescas dimensões da unidade de conservação, em termos absolutos corresponde a mais de 46 mil hectares protegidos pelo Parque, o que representa aproximadamente 25% do município.

12108774_10205292015482224_2934286453589034810_n

Mais de 46 mil hectares do Parque Nacional da Serra das Confusões se encontra dentro do município de Cristino Castro.

A vocação para o agronegócio se perpetua até os dias atuais, com boa parte do restante da área do município dedicado ao cultivo em larga escala. A população estimada em 2017 é de pouco mais de 10 mil habitantes. Arroz, feijão, mandioca e milho estão entre as principais lavouras. Também é possível encontrar algumas produções de frutas como caju e coco. Na pecuária se destaca seu rebanho bovino de 8000 cabeças e 9 mil de galináceos.

O IDH do município está em ascensão, passando de 0,344 em 1991 para 0,566 em 2010, um aumento de mais de 50%, mas que ainda o deixa a níveis baixos de acordo com os padrões das Nações Unidas. O atual PIB per capita é de pouco mais de 7 mil reais.

* O Parque Nacional da Serra das Confusões estará no livro fotográfico Expedição Piauí – O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.