Espécies ameaçadas da APA da Costa dos Corais

Por Augusto Cataldi e Roseanny Carvalho
Foto: Luiz Netto

A APA da Costa dos Corais* protege uma extensa faixa de praias dos estados de Pernambuco e Alagoas, abrigando, desta forma, inúmeras espécies marinhas brasileiras ameaçadas de extinção. Confira alguma delas.

Góbio-néon

O góbio-néon (Elacatinus figaro) é um limpador de cor preto e amarelo, ativo que se adapta com facilidade ao cativeiro e chega a ter cerca de 40 mm de comprimento. Sua função é de realizar a limpeza de algumas espécies de herbívoros e carnívoros. 

Encontra-se na lista de espécies ameaçadas de extinção devido a sua comercialização como peixes ornamentais, o que levou à proibição de sua captura e comercialização pelo IBAMA. 

Tartaruga-de-pente 

A tartaruga-de-pente encontra-se em mares tropicais e subtropicais. Chega a pesar em média de 150 kg. Sua carapuça mede entre 80 a 90 cm de comprimento e é considerada uma das mais belas espécies de tartarugas marinhas. Quando capturada no passado, seu casco era usado na fabricação de pentes e outros utensílios, de onde vem o seu nome popular. Seu habitat natural são os recifes de coral e águas costeiras rasas, como estuários e lagoas. Pode se encontrada no litoral do Nordeste já na sua fase jovem e no arquipélago de Fernando de Noronha. 

A intensa caçada a pôs na lista de tartarugas criticamente ameaçadas de extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza. Sua captura e comercialização, assim como produtos dela derivado, foi considerado ilegal pela Convenção Sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção.

Tartaruga-verde

A tartaruga verde (Chelonia mydas) tem esse nome devido à coloração da sua gordura verde. Possui cerca de 112 a 120 cm de comprimento curvilíneo de carapaça e chega a pesar 160 quilos, podendo atingir os 230 quilos. Seu habitat são águas costeiras com muita vegetação – áreas onde se alimentam -, ilhas ou baías.

Está entre as cinco tartarugas encontradas no Brasil ameaçadas de extinção, contanto, está menos exposta a ação do homem pois desovam nas ilhas de Atol das Rocas, Trindade e Fernando de Noronha, onde o predação é controlada, o que tem garantido a estabilidade da espécie. Hoje existem cerca de 88.500 fêmeas em idade reprodutiva no mundo.

PE_ParnaFernandoNoronha_201505-212

Em Pernambuco, a tartaruga-verde (Chelonia Mydas) pode ser encontrada tanto nas ilhas de Fernando de Noronha quanto no continente, na APA Costa dos Corais.

Peixe-boi-marinho

O peixe-boi-marinho é uma espécie pertencente à família dos triquecídeos. Encontrados no litoral brasileiro – com maior incidência no Nordeste – eles chegam a medir 4 metros de comprimento e pesar 700 kg. Sua alimentação é basicamente composta por aguapés, algas e capins aquáticos. 

A característica do animal é ter a pele rugosa e de cores que variam entre cinza e marrom-acinzentada. No focinho se encontram pelos, conhecidos como vibrissas ou pelos táteis, que são muito sensíveis ao toque. Suas narinas se localizam na parte de cima do focinho, o que lhes garante ficar, em um só fôlego, entre 1 a 5 minutos sem respirar. É o mamífero aquático que está mais ameaçado no Brasil.

Coral-de-fogo

Embora receba o nome de coral, tecnicamente não se trata de um. O coral de fogo é um cnidário do gênero Millepora que está entre os denominados falsos corais duros, ou hidrocorais, sendo mais parecidos e comumente relacionados às águas vivas que aos corais.

As colônias deste animal podem ser encontradas em toda a costa brasileira. Elas crescem a profundidades de até 40 metros, sendo os únicos membros do gênero Mollepora que ocorrem em profundidades maiores que 10 metros.

Quando são tocados, podem injetar um veneno que causa uma sensação de queimadura, erupções na pele, bolhas e deixam cicatrizes, daí o nome coral de fogo. A toxina é forte o suficiente para matar um rato de 20 gramas.

* A APA da Costa dos Corais está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.