Buíque

Por Mitsy Queiroz
Fotos: Luiz Netto

Buíque é a principal porta de entrada do Parque Nacional Catimbau*, o qual compreende ainda terras das cidades de Ibimirim e Tupanatinga.

Composta por distritos territorialmente espaçados: Buíque (Sede), Carneiro, Catimbau, Guanumbi além dos povoados de Riachão, Tanque, Amaro e Aldeia Indígena Kapinawa, esta última com mais de 12 mil hectares, a cidade hoje possui aproximadamente 50 mil habitantes e localiza-se numa zona de transição entre o agreste e o sertão, a 278 km de Recife.

O município teve origem no povoado Campos de Buíque, em 1752, passando à condição de vila em 1854, chamada Vila Nova do Buíque e ligada a Garanhuns, maior cidade da região. A autonomia veio ainda no final deste mesmo século.

Entre seus moradores e filhos mais ilustres, destacam-se o escritor alagoano Graciliano Ramos que viveu por vários anos no município e o ex-cangaceiro Candeeiro, morador do distrito de Guanumbi e um dos últimos remanescentes dos conflitos do cangaço.

IMG_1087

Centro do distrito sede de Buíque.

O índio Jurandir Kawak, um dos pioneiros no desbravamento do atual Parque Nacional do Catimbau e os artesãos Zé Bezerra, Luiz Benício e Célio “Retrato de Barro” são personalidades locais e representantes maiores da arte do município.

A ovinocultura e caprino-cultura leiteira, a agricultura e o turismo no Vale do Catimbau são a base da economia da região. O IDH da cidade é baixo, apenas 0,575, abaixo da média nacional.

* O Parque Nacional Catimbau está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.