Espécies endêmicas de Fernando de Noronha

Por Mitsy Queiroz
Fotos: Luiz Netto

É comum ilhas oceânicas apresentarem endemismo, existência de espécies específicas da fauna e da flora que não existem em nenhum outro lugar do planeta. Notoriamente espécies endêmicas insulares possuem poucos instrumentos de defesa natural, visto que se valem do isolamento geográfico para sua perpetuação, tornando-se alvos fáceis no caso de espécies invasoras, incluído entre elas o Homo Sapiens.

Animais endêmicos são o maior tesouro biológico que um determinado ecossistema pode apresentar e Fernando de Noronha* possui três destes preciosos exemplares. O passarinho sebito** (Vireo gracilirostris), o lagarto mabuia*** (Mabuya maculata) e a cobra-de-duas-cabeças (Amphisbaena ridleyana), mais rara de ser encontrada.

O caranguejo**** (Gecarcinus lagostoma) não é considerado totalmente endêmico, pois passa sua fase juvenil e adulta em terra, mas faz sua desova no mar, onde os recém-nascidos passam a fase inicial da vida. Afora isso também pode ser encontrado em outras ilhas oceânicas brasileiras.

 Sebito (Amphisbaena ridleyana)

O simpático e pequeno pássaro é também conhecido como juviara-de-noronha. Atualmente estima-se que existam 1000 exemplares da espécie na Ilha. A situação a princípio está controlada para manutenção da população, mas a espécie ainda é considerada ameaçada de extinção. A perda do habitat natural, o turismo e a entrada de espécies exóticas são variáveis que precisam ser controladas por interferir diretamente na dimensão populacional da ave.

Na fase adulta o animal não ultrapassa os 15 cm, possui cores pouco vivas, o que de certa forma o ajuda a se proteger de predadores. Alimenta-se basicamente de insetos.

 Mabuia (Mabuya maculata)

Mabuia, lagarto endêmico de Fernando de Noronha.


O pequeno lagarto, do tamanho da lagartixa-comum encontrada nas cidades, possui manchas escuras e claras na parte superior de seu corpo. Geralmente o indivíduo adulto não ultrapassa os 10cm. Sua alimentação é composta basicamente de insetos e néctar.

Assim como o sebito, o lagarto sofre com a entrada de espécies exóticas, em especial dos gatos domésticos, principal predador da espécie atualmente, além de vermes parasitas trazidos pelas espécies invasoras.

Essa situação de “presa” é uma novidade para as mabuias, pois se acredita que antes da entrada dos gatos, garças-vaqueiras, tejus e dos ratos, a espécie não possuía predadores naturais.

A facilidade com que o animal é encontrado no arquipélago é um indicativo que a população se mantém estável, mas a proliferação de predadores é algo que exige cuidados.

Cobra-de-duas-cabeças (Amphisbaena ridleyana)

De todas espécies endêmicas de Noronha a menos conhecida e estudada é a cobra-de-duas-cabeças. Devido a seus hábitos (animal vive embaixo da terra) é muito difícil o turista se encontrar com algum exemplar da espécie. Apesar do nome popular, não se trata de uma cobra, mas de um parente da minhoca. Em Noronha não existem serpentes de qualquer espécie.

Caranguejo (Gecarcinus lagostoma)

O caranguejo encontrado em Noronha não é necessariamente endêmico, pois pode ser encontrado em outras unidades de conservação oceânicas como o Atol das Rocas e passa parte da sua vida inicial no mar. Os adultos vivem em buracos longe da água, procurando as praias apenas para desovar. São de cores amareladas ou violetas, podendo também ser fortemente avermelhados. Na região do arquipélago o animal praticamente não é encontrado na área da APA, ficando seus avistamentos mais restritos à área do Parque Nacional Marinho. A pesada trilha do capim-açu é um bom local para encontrar alguns dos exemplares da espécie.


* O Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.

** Fotos do sebito você encontra no livro Expedição Pernambuco – O Leão do Norte.

*** Mais fotos da mabuia você encontra no livro Expedição Pernambuco – O Leão do Norte.

**** Fotos do caranguejo você encontra no livro Expedição Pernambuco – O Leão do Norte.