Fernando de Noronha – Praias do Mar de Fora

Por Line Vital
Fotos: Luiz Netto

O chamado “Mar de Fora” corresponde às praias de Fernando de Noronha* que estão viradas para a África. São comumente mais pedregosos e de águas mais violentas. Entretanto, se encontram algumas baías de águas calmas importantes como berçário e reprodução de espécies marinhas.

PRAIA DO LEÃO

Eleita em 3º lugar entre as praias mais bonitas do Brasil, situada além do Açude Xaréu, seu nome vem da enorme pedra que se assemelha vagamente a um leão-marinho deitado. Ao seu lado, outra formação rochosa – o Morro da Viuvinha. Incontáveis ninhos podem ser vistos nessas formações rochosas. Areias muito brancas, piscinas em pedras, esguichos, atalho de acesso ao mar. No alto, as evidências construtivas do Forte do Bom Jesus do Leão, com 13 canhões semi-enterrados. É a praia onde mais ocorre desova de tartarugas. É área de Parque, com controle rigoroso permanente. Nos períodos de desova, ninguém desce à praia após as 18h00.

 

img_0180

A Praia do Leão é uma das principais em número de ninhos de tartaruga. O TAMAR identifica e numera todos os encontrados até o momento da eclosão dos ovos.

 

PONTA DAS CARACAS

Numa ponta rochosa estão as encantadoras piscinas naturais, no meio das pedras, às quais se chega descendo pela escarpa. Adiante, o profundo mar azul. Nas piscinas, peixes coloridos, arraias e cações formam a atração dessa área, atualmente proibida para banho pelos perigos que a descida proporciona. É área do Parque Nacional, com controle permanente. 

BAÍA SUESTE

De mar calmo e ondas suaves, esta é uma região histórica, onde desembarcou, em 1629, a esquadra que pretendia retomar o Arquipélago das mãos dos holandeses. É um porto opcional para as épocas em que acontecem as ressacas no mar-de-dentro. Guardando a baía, à esquerda, estão as ruínas no Forte de São Joaquim do Sueste. Junto ao mar, o único mangue em ilha oceânica, uma raridade ecológica. Pela sua importância como porto alternativo, junto a esta baía vem terminar a BR 363, que parte do porto de Santo Antônio, no lado contrário da ilha. É área do Parque Nacional, com controle permanente.

 

img_9689

O mocó, espécie invasora inserida na ilha propositalmente pra servir de caça e diversão para antigos administradores da Ilha, pode ser encontrado nas rochas do mar de fora.

PRAIA DE ATALAIA

Sua paisagem lembra a origem vulcânica da ilha: pedras negras, arrecifes e o Morro do Frade, no meio do mar. Numa pequena faixa de terra, somente trinta pessoas podem permanecer, exigência permanentemente controlada pelo ICMBio. Com os arrecifes descobertos, têm-se uma grande piscina, de intensa vida marinha. Na maré alta, formam-se os esguichos, que sobem a grandes alturas. No canto esquerdo da praia, as ruínas da Salina que aí funcionou no período da presença americana durante a guerra. É área do Parque Nacional, com controle permanente.

 

Captura de Tela 2015-07-05 às 19.18.42

A Atalaia é um berçário natural com forte controle de visitação.

ENSEADA DA CAEIRA

Região de piscinas em pedras, rodeada de dunas (outra raridade ecológica), é uma enseada íngreme, que exige cuidados no caminhar entre pedras. Grandes números de pássaros sobrevoam a região. É área do Parque Nacional, com controle permanente e intensa vigilância.

BURACO DE RAQUEL

Região contemplativa tem seu nome tirado de uma enorme pedra à beira-mar, com grande cavidade, rodeada de piscinas rasas, cheias de peixes coloridos. A descida é proibida, pela suposição de que aí está um dos celeiros de vida marinha que merecem ser preservados. O nome “Raquel” é atribuído à filha excepcional de um dos comandantes militares que, em crise, ali costumava esconder-se.

PONTA DA AIR FRANCE

Localizada exatamente no ponto em que se encontram o mar-de-dentro e o mar-de-fora, esta é uma região histórica, onde se instalaram os franceses na década de 20, para prestar apoio à aviação. Não é área para banho; somente para a contemplação do mar e das ilhas secundárias, dentre as quais – a de São José – abriga a única fortificação localizada fora da ilha principal: o Forte de São José do Morro. Na edificação que resta das três que compunham a antiga base de apoio, está instalada a Associação de Artistas e Artesãos Noronhenses, no chamado “Espaço Cultural Air France”. 

* O Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha e a APA de mesmo nome estão no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.