Histórico de ocupação do Delta do Parnaíba

Por Fred França
Fotos: Chico Rasta e Luiz Netto

A ocupação da região delta remonta ao século XVII em duas frentes distintas, uma em território maranhense, com os jesuítas, e outra a partir do Porto das Barcas, em Parnaíba, mais ligada ao comercio e à expansão do gado.

O lado oriental, a partir do Porto das Barcas, hoje parte do município de Parnaíba, viu no século XVII aumentar as demandas pela exportação do gado bovino que passou a concorrer com a monocultura açucareira do nordeste brasileiro, fato que impulsionou e estruturou a região do porto.

Com as Barcas se transformando num “ponto de escoamento”, todo a ala leste de onde hoje se localiza APA Delta do Parnaíba e a Reserva Extrativista Delta do Parnaíba* passou por grandes mudanças ao virar “caminhos de gado”, com criadores de diversas regiões atravessando com os rebanhos todo litoral piauiense buscando as benesses e os bons preços das exportações da época. O processo foi naturalmente acompanhado de um aumento do sedentarismo, especialmente produtores de gado que procuraram se estabelecer mais perto do ponto de escoamento da produção, surgindo casas e povoados ao longo de toda a área do Delta.

IMG_8090

O Porto das Barcas hoje encontra-se tombado pelo Patrimônio Histórico, mas ainda conserva a aura do ciclo do gado. 

13340739_10153776032844926_1627702509_o

Vista aérea da cidade de Parnaíba, cidade que mais se desenvolveu no litoral do Piauí

IMG_7285

Com o fim do ciclo do gado, relevante para a ocupação do Delta, o cultivo foi gradativamente sendo substituído pela pesca como principal fonte de renda das comunidades tradicionais locais. 

Já no lado oeste, no Maranhão, a colonização é anterior ao ciclo do gado do leste, contando como maior vetor deste processo, as missões jesuíticas com vistas à catequização dos índios Tremembés. Aproveitando-se do conhecimentos dos nativos, a porção oriental deixou o gado de lado e focou seu desenvolvimento no extrativismo e no comércio.

A necessidade de utilização de mão-de-obra indígena como escravos nas produções agrícolas, acabou forçando a expulsão dos jesuítas do norte do Maranhão, vindo em seguida também a ampliação da mão-de-obra escrava africana, que começaram a chegar com mais frequência ao litoral do delta.

O delta se consolidava como importante entreposto comercial tanto para a região amazônica, quanto para o sertão do Brasil. O comércio da carne findou por conectar Parnaíba ao restante do país.

* A APA Delta do Parnaíba e a Reserva Extrativista Delta do Parnaíba estarão no livro fotográfico Expedição Piauí – O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.