Inajá

Por Karina Morais
Foto: Luiz Netto

Localizada no sertão de Pernambuco, a 388 km de Recife, a cidade de Inajá faz fronteira com os municípios de Ibimirim, Floresta, Tacaratu, Manari, cidade pernambucana de pior IDH, e Mata Grande, esta última já no estado de Alagoas.

Os índios Pankararus e Cariris foram os primeiros habitantes da região que hoje é o município, dar-se aí a origem do nome Inajá, que em tupi significa palmeira, em homenagem às carnaubeiras existentes nas margens do rio Moxotó. Sua urbanização historicamente relatada iniciou-se por um casal de fazendeiros entre os séculos XVIII e XIX, em que evoluiu gradativamente de fazenda, passando para Villa Espírito Santo, depois distrito do Espírito Santo e só passando a ser cidade em 2 de Janeiro de 1949.

Sua área é de 1.182.7 km², tem a caatinga como vegetação predominante, além de um trecho de brejo de altitude onde se localiza a Reserva Biológica de Serra Negra*, a primeira REBIO brasileira, que abrange também parte dos municípios de Floresta e Tacaratu.

194A9701

Marco triplo no interior da Reserva Biológica Serra Negra que separa os municípios de Floresta, Inajá e Tacaratu.

Inajá é uma típica pequena cidade do sertão nordestino. Na economia do município predominam as propriedades de pecuária e agricultura, abrangendo a pecuária extensiva e na agricultura o cultivo de frutas e leguminosas, mas em sua maioria voltada para a agricultura familiar, sendo poucos os empreendimentos de médio e grande porte na região, sendo fácil encontrar produções extensivas de caprinos e ovinos, milho e outras plantações comuns nesta região do sertão, sem, entretanto, que uma produção se destaque mais que outras.

Apesar da proximidade com a REBIO Serra Negra, Inajá pouco se aproveita disto para fins turísticos, dado tanto às restrições de acesso à REBIO por parte do ICMBio, quanto pela precária estrutura da cidade, que possui poucas pousadas e restaurantes disponíveis para os visitantes.

*A REBIO Serra Negra está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.