Naufrágios de Fernando de Noronha

Por Line Vital
Foto: Luiz Netto

Uma das atrações mais procuradas em Fernando de Noronha* por turistas, pesquisadores e amantes da história, os naufrágios são mistérios a serem desvendados a cada mergulho. Contos e causos passados de geração em geração transformando em lendas os navios ali submergidos, aguçando a vontade e a instiga dos caçadores de relíquias e fatos, construindo a história da ilha.

Cercados de mistérios, servindo de abrigo para peixes, corais e outras vidas marinhas, os navios, hoje, compõem a magia da Ilha  com a bela vista subaquática e os mistérios do motivo de estarem ali.

Os navios registrados pela ilha e visitados pelo público são: Maria Stathatos, Eleni Stathatos, Praia do Leão (sem confirmação de nome), Canal da Rata (sem confirmação de nome) e o Corveta V 17.

NAUFRÁGIO CORVETA IPIRANGA V17

Um dos naufrágios mais famosos do Brasil, a Corveta V17 – Ipiranga, da marinha do Brasil, que ocorreu em outubro de 1983, está a cerca de sessenta metros de profundeza das águas da Ponta da Sapata em Fernando de Noronha. Muito bem protegida, tem praticamente todas as suas estruturas preservadas e seu interior com quase todos os objetos e pertences que foram abandonados durante o naufrágio.

A causa do acidente foi pelo inesperado choque com a rocha “Cabeça da Sapata” que está localizada no largo da ponta da sapata, que se projeta a mais de setenta metros de profundidade até pouco menos de dois metros em maré baixa. No dia do acidente, o Corveta V17 realizava uma viagem de patrulhamento de rotina pela costa nordestina do país e numa manhã de mar calmo, aproximando-se de Fernando de Noronha, onde realizava tarefas de apoio à guarnição da ilha. O Corveta afundou lentamente sem nenhum ferido, a tripulação foi socorrida com ajuda dos pescadores da ilha.

Localização:

LOCAL: Fernando de Noronha UF: PE PAÍS: Brasil

POSIÇÃO: Ponta da Sapata a 20 minutos de navegação do porto.

LATITUDE: 03º 51’ 07’’ Sul

LONGITUDE: 032º 28’41’’ Oeste

PROFUNDODADE: 60 Metros

MOTIVO DO AFUNDAMENTO: Choque.

NAUFRÁGIO MARIA STATHATOS

Esse é mais um naufrágio dos três navios gregos registrados em Fernando de Noronha, juntos com o Themone Stathatos (1937, porém ainda sem confirmação de naufrágio, sem registros) e o Eleni Stathatos (1929). Descoberto em 2014, está numa posição paralela ao costão e caído por trás do Eleni Stathatos.

O Maria Stathatos ancorou em Fernando de Noronha em 09.06.1937 quando entrou em chamas, por motivos desconhecidos. Os tripulantes abandonaram a embarcação ainda noite, passando para um navio alemão de apoio a aviação Westfalen, que se encontrava a certa distancia da ilha, como apoio ao serviço de aviação comercial entre Alemanha e América do Sul. O vapor grego queimou até restar só as ferragens, e assim submergir.

Localização/Descrição:

NOME: Maria Atathatos

AFUNDAMENTO: 09.06.1937

CAUSA DO NAUFRÁGIO: Incêndio

LOCAL: Fernando de Noronha UF: PE PAÍS: Brasil

POSIÇÃO: Parte interna da Baía de Santo Antônio

LATITUDE: 03º 50’ Sul

LONGITUTE: 032º 24’ 24’’ Oeste

PROFUNDIDADE: 5 Metros

CONDIÇÕES ATUAIS: Desmembrado e enterrado.

TIPO DE EMBARCAÇÃO: Vapor

NACIONALIDADE: Grega

MATERIAL: Aço.

NAUFRÁGIO ELENI STATHATOS

O Eleni Stathatos é uma dos três navios gregos da mesma linhagem registrados em Fernando de Noronha.

Segundo Amorim Netto (Fernando de Noronha, notas de viagem de 1930), que ouviu relatos de moradores da ilha, o comandante do Eleni Stathatos jogou o navio sobre as rochas no sul da ilha, por motivos não explicados. Após o choque, com dois enormes rombos na proa, navegou para o lado norte da ilha encalhando no Porto de Santo Antonio.

O navio estava carregado com material ferroviário para uma estrada de ferro na Argentina, além de outros valiosos produtos, todos garantidos com excelente seguro. Permaneceu encalhado por alguns meses e foi abandonado pela tripulação apesar de que os porões da popa permanecerem lacrados e coterem um carregamento de máquinas de escrever. Partes das 800 toneladas de carvão foram roubadas. Houve até oferecimento em jornais da época e negociações para a compra do casco do navio pelo governo de Pernambuco.

Pretendia-se, depois de retirar a carga útil, utilizar seu casco recheado de concreto como forma para um pequeno píer, que segundo os estudos permitiram a atração de pequenos alvarengas.

O autor do texto, Amorim Netto, esteve na ilha de Fernando de Noronha para avaliar as condições do casco a fim de formalizar-se a proposta de compra. Finalmente o cargueiro foi realmente arrematado pelo governo de Pernambuco pela quantia de 50 contos de reis, porém o projeto não foi levado a cabo. O casco terminou de submergir em 1946.

Localização/Descrição:

NOME: Eleni Stathatos

AFUNDAMENTO: 28.10.1929

LOCAL: Fernando de Noronha

POSIÇÃO: Baía de Santo Antônio – 50 metros da praia

LATITUDE: 03º 50’ 0’’ Sul

LOGETUDE: 032º 24’ 24’’ Oeste

PROFUNDIDADE: 8 Metros

NACIONALIDADE: Grega

COMPRIMENTO: 160 Metros

EMBARCAÇÃO: Cargueiro

MATERIAL: Aço

CARGA: Carvão mineral e material ferroviário.

AFUNDAMENTO: Incêndio

CONDIÇÕES ATUAIS: Desmembrado.

 

IMG_4256

O Eleni Stathatos está a poucos metros da Praia.

NAUFRÁGIO DO LEÃO

O naufrágio na praia do Leão ainda é um pouco misterioso, pois não se sabe ao certo de que navio se trata. Tudo indica que se trata do naufrágio do Vapor Aylestone, afundado em 1929, mas pelas poucas provas históricas e documentais não é possível confirmar.

Ele está sobre o fundo de pedras junto ao costão da enseada, bastante desconjuntado e acredita-se que o navio desconjuntou-se em sua posição de navegação por ter um grande numero de peças importantes, na sua composição, espalhadas pelos destroços.

NAUFRÁGIO DO CANAL DA RATA

Sobre esse naufrágio, sabe-se que o navio era de carga e na viagem do naufrágio ele transportava artefatos de cerâmica, como telhas e outros objetos. Neste, como também em outros, não se sabe ao certo detalhes das informações do navio, de onde veio e nem de como ele afundou.

Se encontra no meio do canal com uma grande âncora almirantada com uma das unhas firmemente gravada no fundo, com aproximadamente cinquenta metros de corrente, já muito coberta pelos corais e algas.

Localização:

LOCAL: Fernando de Noronha UF:PE PAÍS: Brasil

POSIÇÃO: No meio do canal entre a ilha rata e a ilha do meio.

LATITUDE: 03º 49’sul

LONGITUDE: 032º 25’ Oeste

PROFUNDIDADE: 13 metros

CONDIÇÕES ATUAIS: Enterrado

MATERIAL DO CASCO: Madeira

CARGA: Telhas de cerâmica.

* O Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha e a APA de mesmo nome estão no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.