“O Mundo Perdido” de Arthur Conan Doyle

Texto: Karina Morais
Foto: Luiz Netto

 

conan

 

 

Em 1912 o  romancista escocês Sir Arthur Conan Doyle  inspirou-se  nos gigantes tepuys da Gran Sabana e do Parque Nacional Canaima* para escrever “O Mundo Perdido”, clássico de ficção científica da literatura internacional.

O livro aborda uma expedição científica liderada pelo professor George Challenger as montanhas da Amazônia, habitada por dinossauros e outros animais supostamente extintos, além de uma ferrenha disputa entre indígenas dos dias atuais e tribos de homens-macaco.

A obra é narrada pelo repórter Malone, que embarca na aventura juntamente a Challenger com base em anotações do aventureiro Maple White e observações do próprio líder da expedição que visa comprovar que nada daquilo é “loucura”.

A obra narra debates ideológicos de Challenger e Sumerlee, pesquisador que duvida da existência do mundo perdido, mas se junta à expedição, juntamente com Lord Jhon Roxton que se responsabiliza por disponibilizar as melhores armas para o repórter e os pesquisadores até que chegam ao topo do platô nunca antes explorado, para muitos uma clara alusão ao topo do Monte Roraima.

Captura de Tela 2015-02-09 às 08.16.19

Monte Roraima, a inspiração maior de Conan Doyle para “O Mundo Perdido”.

Na ocasião, os exploradores chegam ao topo através de uma ponte improvisada que, destruída, os deixa aprisionados na mundo perdido à sorte dos dinossauros e do embate entre índios e homens-macaco, até que encontram uma maneira de voltar para casa

A obra foi largamente adaptada para o cinema e televisão, tendo inclusive sido adaptada ainda na época do cinema mudo, em 1915, pelas mãos de Harry Foyt, numa das primeiras grandes obras da sétima arte em todos os tempos. quando não, servindo de inspiração para obras de temáticas semelhantes, como o mega-sucesso Jurassic Park. 

 

*O Parque Nacional Canaima estará no livro fotográfico Expedição Venezuela – La Tierra de Gracia. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.