O município de Floresta

Por Karina Morais
Fotos: Luiz Netto

Floresta é um município de Pernambuco, distante 433 km da capital, Recife. A cidade é o ponto de partida do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco e abriga duas importantes unidades de conservação: a recente Estação Ecológica Serra da Canoa* e a tradicional Reserva Biológica Serra Negra*, a primeira do Brasil, criada ainda no governo Vargas.

194A9699

Marco da tríplice fronteira entre os municípios de Floresta, Tacaratu e Inajá, localizado dentro da Reserva Biológica Serra Negra.

Com uma área de 3.674,0 Km2 Floresta está localizado na, Região de Desenvolvimento do Sertão de Itaparica, limitando-se ao Norte com Serra Talhada, Betânia e Custódia, ao sul com Inajá, Tacaratu, Petrolândia e o Estado da Bahia, a Leste com Ibimirim e a Oeste com Carnaubeira da Penha e Itacuruba.

A região era primitivamente ocupada por uma aldeia indígena, catequizada pelas primeiras missões dos jesuítas e capuchinhos franceses. Floresta teve início no século XVIII nas fazendas Curralinho e Paus Pretos, mas foi na Fazenda Grande, à margem direita do Rio Pajeú que teve início a povoação de Floresta. Na segunda metade do século XVIII, a fazenda servia de curral temporário para o gado que vinha da Bahia abastecer os engenhos de açúcar pernambucanos. Em torno do oratório particular, erguido em 1777, que viria a ser depois a Capela do Bom Jesus dos Aflitos, surgiu o povoado de Fazenda Grande. Os proprietários da Fazenda Grande doaram suas terras ao Bom Jesus dos Aflitos em 1778, no cartório de notas da Fazenda Riacho do Navio. A proximidade com os rios Pajeú, São Francisco e Riacho do Navio, aliado ao espírito de cristandade, atraíram o povo para o local.

Em poucos anos, o povoado de Fazenda Grande foi elevado à categoria de Vila em 31 de março de 1846, por meio de projeto que se tornou Lei Provincial n° 153, apresentado pelo representante de Flores, município também banhado pelo Rio Pajeú, do qual foi desmembrado. Em 1849, como sanção por sua participação ativa na Revolução Praieira, a Vila da Floresta foi incorporada ao povoado de Tacaratu, contudo, em 1864, o Termo da Comarca foi restaurado. Ainda como vila, e com o advento de República, Floresta teve como o primeiro prefeito o Tenente-coronel Fausto Serafim de Souza Ferraz, que assumiu em 1892. Em 20 de junho de 1907, através de Lei estadual n°867, foi elevada à categoria de cidade. Em 1897 foi construída a Igreja Matriz, onde hoje é a Catedral do Bom Jesus, e para lá foi transferida a imagem do Padroeiro, ficando a igreja primitiva, monumento de História e de Fé, sob o patrocínio de Nª Srª do Rosário.

 

194A9647

Com duas grandes unidades de conservação em seu interior, Floresta se destaca em Pernambuco pelos substratos de caatinga ainda bem preservados.

O município de Floresta figura em Pernambuco pela sua liderança no tamanho de seu rebanho de caprinos e ovinos (um dos maiores do País). Floresta também e um dos maiores produtores de tomate e melancia. Sendo o 2º maior município de Pernambuco (atrás somente de Petrolina), abrangendo aproximadamente 4% do território do Estado, com uma área superior a países como Luxemburgo. É constituído de 3 distritos: Floresta (sede), Airi e Nazaré do Pico e diversos povoados de etnias indígenas, como os Kambiwá e os Pipipã. A população avaliada em 2012 foi de 30.000 habitantes, dos quais 20.000 vivem na cidade.

10375128_10202632184508112_7902965415996470003_n

Os Pipipãs estão aldeados nos pés da Reserva Biológica Serra Negra.


Historicamente a cidade por vezes é lembrada por motivos menos nobres, como a briga secular entre as famílias Ferraz e Novaes, que atingiu o seu ápice na segunda metade do século XX e também pelo fato da ser um dos município que integrou a região que ficou conhecida como “Polígono da Maconha”, por dar muita dor de cabeça às forças policiais pernambucanas pela produção ilegal da planta.

Hoje, já há décadas sem conflitos familiares e com o tráfico de drogas controlado, a cidade vem se destacando também pelo crescimento das atividades industriais e comerciais, bem como pelo desenvolvimento educacional que culminou na implantação de faculdades e de uma unidade do Instituto Federal de Pernambuco que recebe diariamente alunos de todos os municípios vizinhos.

*A REBIO Serra Negra e a ESEC Serra da Canoa estão no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.