Ponto de Cultura exibe a mostra “Memória Fulni-ô”

MemoriaFulnio

A mostra “Memória Fulni-ô” organizada pelo Ponto de Cultura Fulni-ô, de Águas Belas, é um recorte histórico de uma das etnias mais relevantes do país.

Os índios Fulni-ô, antigos Carijós, foram os únicos de todo o Nordeste a preservar até os dias atuais o idioma nativo, o Yaathê, hoje ensinado nas escolas da aldeia e praticado em diversas vertentes artísticas como oficinas, filmes, apresentações dramáticas, entre outros.

Em “Memórias Fulni-ô”, o Ponto de Cultura fez uma curadoria das imagens mais antigas da aldeia que se tem registro, todas da primeira metade do século XX, quando a local ainda era toda constituído por casas de palha e algumas poucas de taipa.

De valor histórico inestimável, as fotos percorrem o antigo Ouricuri, vila sagrada Fulni-ô, existente até os dias de hoje, onde realizam os rituais religiosos (não aberto para os não-índios), fotos de rituais, retratos realçando o traço marcante dos indígenas da época, o contato com algumas lideranças do dito “homem-branco”, entre outros.

A mostra também exibe parte do acervo de material histórico e arqueológico do Ponto, como um pilão, encontrado pelos índios durante uma escavação fortuita para reforma de uma casa no Ouricuri, a réplica de uma lança usada pelos primeiros índios e um cocar que é apenas um dos três últimos do tipo existentes na aldeia.