Riacho do Navio

Por Augusto Cataldi
Foto: Luiz Netto
 
Cantado por Luiz Gonzaga, o Riacho do Navio é um curso fluvial temporário que atravessa o sertão de Pernambuco. Nascendo na Pedra do Navio, na cidade de Floresta, o riacho é um dos principais afluentes do rio Pajeú.
 
A bacia do Pajeú é a maior do estado de Pernambuco. Sua área corresponde a mais de 16 mil km² de extensão, cerca de 16,97% da área do estado. O rio nasce no município de Brejinho e percorre cerca de 353 km até desaguar no lago de Itaparica, no rio São Francisco, surgido em consequência da construção da Usina Hidroelétrica Luiz Gonzaga, na divisa dos estados e Pernambuco e Bahia.
 
A “região do Navio”, nome popular pelo qual é conhecida o entorno da Pedra do Navio (localidade que deu nome ao riacho), foi um berço de célebres cangaceiros e notórios valentões no início do século XX, como Cassimiro Honório. O próprio Virgulino Lampião, o maior de todos os cangaceiros, era frequentador assíduo da região, nascido das ribeiras do Pajeú, na vizinha cidade de Serra Talhada, com frequência bandeava pros lados de Floresta, onde também construiu fortes inimizades, principalmente com o povo guerreiro da Vila de Nazaré, os famosos “Nazarenos”, que se tornaram seus principais perseguidores ao longo da história. Quis o destino, que mesmo tendo sido os maiores inimigos de Lampião, não foram estes os responsáveis pela morte do maior dos cangaceiros.
 
Hoje, a bacia do Pajeú e do Riacho do Navio, compõem a Estação Ecológica da Serra da Canoa*, a maior reserva estadual de caatinga no estado de Pernambuco.
11954766_10205108432012752_8760416914899292763_n
 
O periquito-da-caatinga é facilmente encontrado na Pedra do Navio.
 
A voz do rei do baião imortalizou o curso do Navio em sua célebre parceria com Zé Dantas, que numa das primeiras composições escritas pela dupla, intitulada “Riacho do Navio”, ressaltou a grande importância para a região onde o afluente passa mostrando em seus versos a boa relação entre o sertanejo e a região do Navio. A troca do mar pelas águas doces é uma mostra de como o sertanejo depende e não se vê sem ele.
 
*A  ESEC da Serra da Canoa está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.