Rio Massangana

Por Augusto Cataldi
Foto: Bart van Dorp
 
A hidrografia do estado pernambucano é composta por duas categorias de rios: litorâneos e translitorâneos. A primeira é constituída por rios que nascem e deságuam na região litorânea e, em geral, são perenes. A segunda é formada por rios que que nascem no Agreste do estado, com regime temporário e tornando-se perenes ao entrar na Zona da Mata.
 
Entre os rios de característica litorânea está o rio Massangana. Ele serve de limite entre os municípios de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, ambos na Região Metropolitana do Recife e que compõem a faixa do litoral sul do estado. Os seus formadores são os rios Tabatinga e Utinga de Baixo, ambos com nascentes em Ipojuca e que juntos abastecem diversas unidades de conservação do litoral sul pernambucano. 
 
Parque estadual Mata do Zumbi-IMG_0450
 
A Lagoa do Zumbi, principal atrativo do Parque Estadual, compõe a bacia do rio Massangana.
 
Nos dois rios que são responsáveis pela formação do rio Massangana situam-se as barragens do Bita e do Utinga, mananciais que integram o sistema de abastecimento hídrico do Complexo Industrial Portuário de Suape. Já o Massangana é o principal afluente responsável pelo abastecimento do Parque Estadual Mata do Zumbi*.
 
Os rios litorâneos, assim como o Massangana, embora tenha sua dimensão reduzida, têm um papel importante na manutenção dos ecossistemas e das comunidades no entorno. O Massangana deságua ao sul do promontório de Santo Agostinho e encontra o Tatuoca, que nasce a 6 km da foz e constitui parte de uma rede de canais e estuários. 
 * O Parque Estadual da Mata do Zumbi está no livro fotográfico Expedição Pernambuco – O Leão do Norte. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.