Santa Luz

Por Fred França
Foto: Luiz Netto

A cidade de Santa Luz, hoje com pouco menos de 6 mil habitantes, segue o mesmo perfil dos demais municípios que integram o Parque Nacional da Serra das Confusões*, incrustrado na caatinga, com baixo IDH e de economia voltada para os serviços e agricultura familiar. Cerca de 4% da parque encontra-se dentro do município, o que corresponde a mais de 32 mil hectares protegidos e a 33% do território de Santa Luz.

A fundação do município remonta à 1902 com a chegada do baiano André Folha, que fixou morada numa localidade conhecida por Lagoa das Vacas, famosa na região por sua água supostamente ser milagrosa. Esta crendice fez a lagoa em pouco tempo passar a ser conhecida por Lagoa de Santa Luz.

12108774_10205292015482224_2934286453589034810_n-768x512

Santa Luz é mais uma cidade a integrar o Parque Nacional da Serra das Confusões.

Os supostos milagres das águas da lagoa atraíram novos moradores, com destaque para a família Alves, dando início a um forte processo de ocupação que ganhou ainda mais força a partir da década de 30, quando a localidade se destacou na produção de algodão. A primeira igreja e a primeira missa aconteceram apenas em 1950. Santa Luz pertenceu a Bom Jesus até o ano de 1962, ano em que no mês de dezembro conseguiu sua emancipação.

A renda per capita do município registrada em 2014 foi de R$6.171,11, levemente mais alta que das suas cidades vizinhas e seu Índice de Desenvolvimento Humano registrado em 2010 foi de 0,588.

No setor agropecuário, especialmente agricultura familiar, a cidade tem um dos pilares de sua economia, incluindo uma boa produção de aquicultura, atividade pouco usual na região, mas que em Santa Luz encontra espaço nas lagoas naturais e em tanques escavados. Além dos peixes, destacam-se também o plantel avícola e bovino, este último com mais de 18 mil cabeças.

* O Parque Nacional da Serra das Confusões estará no livro fotográfico Expedição Piauí – O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.