São Julião

Por Silvio Melo
Foto: Luiz Netto

O início da ocupação de São Julião remonta à segunda metade do século XIX, quando chegaram à região do município, colonos oriundos de Pernambuco, com destaque para o Sr. Antônio Rodrigues, que viria a se casar com uma cabocla vinda do Ceará e em pouco tempo davam início a um pequeno povoado, já chamado de São Julião em homenagem a um antigo morador das redondezas, também de nome Julião.

A emancipação do município viria em 1960, quando o povoado se separou de Fronteiras, cidade que, assim como São Julião, também integra a APA da Chapada do Araripe*. Ambos os municípios estão entre os mais antigos dentre os que atualmente integram a área de preservação ambiental.

sem título-710

O gavião-carijó está entre as espécies encontradas em São Julião e em toda a APA da Chapada do Araripe. 

A cidade possui hoje cerca de 5900 moradores, sendo seu IDH de 0,594 e sua economia, assim como toda região, se baseia no comércio e na agropecuária, com destaque para a produção de ovinos e avicultura, além das plantações de feijão e milho. Encontra-se a 311km da capital, Teresina, e próxima das divisas com o Ceará e Pernambuco.

Seu clima é o semi-árido típico do sertão brasileiro e sua vegetação é, em sua maioria, composta pela caatinga arbustiva e arbórea, a mais comum da Chapada do Araripe.

Apesar de seus números módicos na economia, o censo de 2014-15 apontou São Julião como a quarta cidade do Brasil que mais cresceu em número de habitantes.

*A APA da Chapada do Araripe estará no livro fotográfico Expedição Piauí –O Sol do Equador. Mais informações sobre a Coleção EcoExpedições no menu esquerdo do portal da Panorama Cultural ou no site www.colecaoecoexpedicoes.com.br. Os extras publicados no portal trazem informações e curiosidades das áreas visitadas ao longo do projeto.